Smartphone da HTC que minera criptomoeda leva 500 anos para se pagar

  • por

A HTC, empresa de Taiwan firmou uma parceria com a empresa de mineração Midas Labs para trazer um aplicativo de mineração de Monero (XMR) à sua linha de smartphones Exodus. O HTC Exodus e o Exodus 1s receberão o app, chamado DeMiner, que será lançado ainda neste trimestre.

De acordo com Jri Lee, fundador e CEO da Midas Labs e professor da Universidade Nacional de Taiwan, o benefício da mineração de Monero em um smartphone é o menor consumo de energia em comparação com outros dispositivos de mineração.

“A Midas Labs capacita os usuários do Exodus 1s a extrair pelo menos US$ 0,0038 em XMR por dia, em média, enquanto o custo da eletricidade é menos de 50% disso”, disse ele ao The Block. A empresa sugere que seja possível minerar cerca de US$ 0,06 em XMR por dia em um laptop, mas gaste uma média de US$ 0,156 em energia para fazer isso.

Ao executar o aplicativo DeMiner, os telefones HTC Exodus interromperão a mineração automaticamente quando estiverem em uso intenso ou desconectados de um carregador, garantindo que o telefone ainda permaneça um telefone funcional e confiável ao longo do dia.

Ainda assim, não tem muita utilidade. Mesmo se você minerasse todos os dias, essa estimativa de US$ 0,0038 renderia apenas US$ 1,39 em XMR durante um ano inteiro

A edição mais recente do Exodus 1 – a Binance Edition (que tem suporte nativo para a plataforma descentralizada da Binance e é a única versão em estoque no site da HTC) – custa cerca de US$ 700. Supondo que o preço da Monero permaneça constante, levaria meio milênio de mineração para recuperar seu dinheiro. E isso nem sequer leva em conta os custos de eletricidade.

Chamar atenção

O objetivo da HTC parece ser menos sobre atrair usuários com grandes ganhos potenciais e mais sobre trazer pessoas adicionais para um sistema descentralizado.

“A mineração no celular é um tópico de pesquisa importante para entender o desenvolvimento de redes criptográficas seguras”, disse Phil Chen, diretor da HTC à Forbes. “O número de telefones celulares em 2020 se aproxima de 3,5 bilhões, o que descentralizaria e distribuiria ainda mais a taxa de hash e o poder de mineração dessas redes de criptomoedas”.

O fundo de capital de risco centrado no blockchain, Proof of Capital, do qual Chen também atua como parceiro geral, anunciou simultaneamente na sexta-feira que liderou uma rodada inicial de financiamento no Midas Labs.

O HTC Exodus 1 foi lançado no final de 2018, prometendo a capacidade de servir como uma carteira móvel de criptomoedas e também transportar um node completo de Bitcoin. A edição ‘Binance Edition’, lançada em novembro de 2019, adicionou suporte à Binance DEX. Também está disponível um modelo HTC Exodus 1s mais barato e menos potente.

Fonte:https://portaldobitcoin.com/smartphone-da-htc-que-minera-criptomoeda-leva-500-anos-para-se-pagar/

Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − um =