Bitcoin bate US$ 17.000 e renova máxima anual com alta de 140% no ano

Bitcoin superou os US$ 17.000 às 9h02 nesta terça-feira e renovou a máxima de 2020. Essa é a segunda vez na história que o bitcoin atinge esse patamar. No Brasil, a criptomoeda já é negociada acima dos R$ 93.000, conforme o índice do Portal do Bitcoin.

Em alta desde o final de março, quando teve uma queda impulsionada pela crise do coronavírus, o bitcoin já acumula valorização em dólar de 140% no ano.

A última vez que o bitcoin atingiu os US$ 17 mil, foi em dezembro de 2017, duas semanas antes de registrar o recorde histórico de US$ 20.000.

Aos poucos o hype visto em 2017, parece estar voltando. Na segunda-feira (16), a atriz Maisie Williams, famosa pelo papel de Ayra Stark no seriado Game of Thrones, postou no Twitter uma enquete perguntando se deveria apostar na alta da moeda.

Possíveis motivos para a alta

Nas últimas semanas, o Bitcoin parece estar na moda em Wall Street. A entrada de grandes investidores institucionais também é um fator que está movimentando o mercado no segundo semestre. Dando início a uma nova tendência, em setembro, a empresa MicroStrategy anunciou a compra de US$ 425 milhões em bitcoin. Essa foi a primeira compra pública de uma empresa listada na bolsa dos EUA.

Seguindo o exemplo, a Square, que tem como cofundador Jack Dorsey, criador do Twitter, também anunciou a compra de US$ 50 milhões em bitcoin.

O Paypal também entrou na jogada. O gigante do mercado de pagamentos digitais anunciou que permitirá que seus clientes comprem, mantenham e vendam bitcoin e várias outras criptomoedas diretamente por meio de suas contas.

Hoje, Tom Fitzpatrick, um analista sênior do Citibank previu um movimento de alta que pode levar o bitcoin até US$ 318.000. “O momento atual do bitcoin é muito similar ao vivido em 2017, o que pode levar o preço a US$ 318.000”, disse.

Por fim, há uma questão técnica. Em maio deste ano, ocorreu aconteceu o terceiro halving na rede do bitcoin, evento programado para ocorrer de quatro em quatro anos no qual a emissão de novos bitcoins é cortada pela metade. Isso diminui a entrada de novas moedas no mercado que, com o aumento da demanda podem impulsionar mais ainda o preço. Os últimos dois halvings (2012 e 2016) foram seguidos por fortes altas nos anos seguintes.

Fonte: https://portaldobitcoin.uol.com.br/bitcoin-bate-us-17-000-e-renova-maxima-anual-com-alta-de-140-no-ano/

Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 5 =