O que falta para a Amazon começar a aceitar bitcoin

Com receita anual de US $ 280 bilhões, a Amazon é um monstro do mercado global. Até o momento, no entanto, a empresa evita falar sobre Bitcoin e outras criptomoedas como métodos de pagamento.

Para os defensores do Bitcoin, a perspectiva de a maior empresa de comércio eletrônico do mundo aceitar pagamentos de Bitcoin é animadora – pois sinalizaria a aceitação da criptomoeda e impulsionaria uma nova onda de adoção do Bitcoin.

A Amazon tem uma enorme participação de mercado de 47% no mercado de varejo de e-commerce dos Estados Unidos, com receitas líquidas superiores a US$ 280 bilhões (em 2019), e hospeda mais de 150 milhões de usuários Prime em todo o mundo. E isso é apenas Prime. Embora não revelada, a base de usuários da Amazon é, sem dúvida, muito maior.

Portanto, com mais de 150 milhões de clientes conhecidos – muitos dos quais vêm de um grupo demográfico entusiasta da criptomoeda – parece que a Amazon aceitar pagamentos em Bitcoin não deveria ser um problema. E, no entanto, desde 2014, a Amazon se recusa a aceitar Bitcoin. Então, qual é o problema?

As barreiras para a Amazon adotar Bitcoin

Existem, ao que parece, muitos obstáculos – entre os quais a notória volatilidade do Bitcoin.

“Para aceitar diretamente o Bitcoin como método de pagamento, a Amazon teria que criar processos e procedimentos para aceitar, manter e gerenciar o Bitcoin e milhares de outras criptomoedas”, disse Sean Rolland, diretor de produto da BitPay, ao Decrypt.

“Eles teriam que assumir os riscos inerentes de volatilidade do mercado associados à manutenção de criptomoeda em seu balanço patrimonial e à venda para/por meio de uma empresa terceirizada em troca de moeda fiduciária”, acrescentou.

É justo dizer que a BitPay sabe uma coisa ou duas sobre como aceitar Bitcoin; afinal, a empresa fornece serviços de pagamento em Bitcoin para milhares de empresas em todo o mundo. Na verdade, a BitPay também fornece uma maneira de comprar na Amazon usando Bitcoin, embora indiretamente, por meio da compra de cartões-presente pré-pagos usando a criptomoeda. Mas Rolland aponta que os problemas potenciais são mais profundos do que apenas a volatilidade; alguns dos maiores obstáculos incluem acompanhar todos os aspectos técnicos.

Suporte de node, gerenciamento de cadeia, aceitação de pagamentos de carteiras com e sem custódia e até mesmo suporte a mais criptomoedas que seus usuários inevitavelmente solicitarão são questões que a Amazon precisa considerar, argumenta Rolland.

A conformidade com diferentes jurisdições regulatórias também é provavelmente uma fonte de ansiedade para o varejista global. Mas para Danny Scott, o fundador do hub de serviços de Bitcoin CoinCorner, o maior desestímulo é a incapacidade do Bitcoin de escalar.

“Do ponto de vista do pagamento, o Bitcoin não está totalmente pronto para esse nível de escala”, disse Scott ao Decrypt.

A Amazon atingiu uma estimativa de 636 transações por segundo (TPS) no Prime Day 2016 – um recorde para a empresa. No momento, o Bitcoin pode aguentar cerca de sete transações por segundo. Isso representa uma gota no oceano em comparação com processadores de pagamento como Visa e MasterCard, capazes de lidar com cerca de 65.000 TPS.

Ainda assim, Scott permanece otimista de que as soluções de escalabilidade, como a Lightning Network, podem fornecer todas as necessidades de escala do Bitcoin. Mais ainda, na verdade, do que visa e MasterCard juntos. De acordo com o white paper da Lightning Network, a solução de escala de segunda camada cita velocidades potenciais de milhões de TPS quando estiver totalmente funcional.

Em seu estado atual, entretanto, nem mesmo Lightning está em posição de facilitar empresas como a Amazon.

A entrada do PayPal muda alguma coisa?

Em outubro de 2020, após anos de deliberação, a gigante dos pagamentos digitais PayPal anunciou recursos de compra e venda de criptomoedas, permitindo que os usuários do PayPal comprassem usando Bitcoin, Ethereum, Bitcoin Cash e Litecoin, além de armazenas essas criptomoedas na própria plataforma.

Embora alguns entusiastas tenham expressado preocupação com as políticas do PayPal, que evitam que a criptomoeda seja transferida para fora das carteiras digitais da empresa, a mudança foi vista como um poderoso sinal de adoção em massa. A empresa também contornou nitidamente as questões em torno da volatilidade do Bitcoin, convertendo automaticamente os pagamentos em moeda fiduciária no ponto de venda.

Com o PayPal mergulhando de cabeça e estabelecendo um precedente, Rolland afirma que a noção de aceitar Bitcoin se tornará muito difícil para outros resistirem.

“A decisão do PayPal de oferecer criptomoedas significa que mais consumidores terão disponibilidade para gastar suas criptos online, especialmente quando o preço do Bitcoin e de outras moedas aumentar”, explicou ele. “Os comerciantes, incluindo a Amazon, vão querer estar prontos para aceitar cripto como meio de pagamento para obter vendas.”

Rolland afirma que aceitar criptomoeda expande muito a oportunidade de vendas de um comerciante em mercados internacionais onde aceitar cartões de crédito não é prático.

“Também reduz as altas taxas e aumenta a transparência e a eficiência dos pagamentos”, acrescenta. “A criptomoeda é valiosa porque é usada para o comércio de bens e serviços em uma base global, sem o risco de fraude ou roubo de identidade.”

Scott concordou, dizendo ao Decrypt: “É apenas uma questão de tempo até a Amazon aceitar Bitcoin.”

Em 2013, a Amazon abocanhou o domínio amazonbitcoin.com; quatro anos depois, adicionou os domínios amazonethereum.comamazoncryptocurrency.com e amazoncryptocurrencies.com. No momento, esses endereços simplesmente redirecionam para a página inicial principal da Amazon.com; mas mostra que a Amazon está, pelo menos, ciente do potencial da criptomoeda e de demarcação de seu território, por precaução.

Para Scott, o primeiro passo pode não ser a Amazon aceitando pagamentos em Bitcoin, mas seguindo os passos da MicroStrategy e da Square, que recentemente se juntou à lista de empresas públicas com mais de US$ 6,7 bilhões em Bitcoin. “Isso pode levar anos ainda, mas está se tornando inevitável que todas as empresas globais comecem a ter exposição ao Bitcoin de alguma forma”, disse ele.

Certamente, não é impossível que a Amazon opte por usar o Bitcoin primeiro como uma reserva de valor antes de distribuí-lo para o varejo. Mas, no que diz respeito a aceitar pagamentos em Bitcoin, a Amazon pode escolher jogar o jogo longo, esperando até que os obstáculos no sistema sejam resolvidas pelos primeiros players.

Fonte: https://portaldobitcoin.uol.com.br/o-que-falta-para-a-amazon-comecar-a-aceitar-bitcoin/

Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 − 5 =