Suporte para atualização de privacidade do Bitcoin chega a 45%

F2Pool, o maior pool de mineração de Bitcoin – que atualmente fornece cerca de 17% do poder hash total do bitcoin – foi listado no site “Taproot-Activation”, sinalizando seu suporte para a proposta de atualização de protocolo do Bitcoin.

Com a adição da F2Pool, o Taproot, que visa melhorar a privacidade e eficiência da rede, agora ganhou o apoio combinado de mineradores responsáveis ​​por 45% do poder de hash do Bitcoin. Isso significa que está a apenas 6% de atingir mais da metade.

Taproot é uma proposta de atualização de protocolo desenvolvida originalmente pelos conhecidos contribuidores Greg Maxwell, Peter Wuille e Andrew Poelstra. Ela se baseia em assinaturas Schnorr e em Merkelized Abstract Syntax Trees (MAST) para melhorar a privacidade, a eficiência e a flexibilidade dos scripts de Bitcoin.

Sem se aprofundar em muitos detalhes técnicos, o Taproot faz transações complexas de Bitcoin aparecerem como transferências regulares no blockchain.

No blockchain do Bitcoin, os scripts podem ser usados ​​para criar uma ou várias condições que devem ser atendidas para gastar moedas. Um dos exemplos mais simples disso são as assinaturas múltiplas que exigem que várias partes usem suas chaves simultaneamente para desbloquear certas moedas. Da mesma forma, as condições podem incluir time-locks (isso significa que as moedas não podem ser gastas até uma determinada data) ou ter um número secreto.

Atualmente, essas condições estão inicialmente ocultas no blockchain e não podem ser visualizadas por terceiros. No entanto, uma vez que as moedas “programadas” são gastas, todas as condições associadas a elas são reveladas para todos – mesmo aquelas que não foram atendidas quando as moedas foram desbloqueadas. Isso significa que eles podem ser identificados.

Ao combinar os conceitos acima mencionados, Taproot permite que tais transações intrincadas sejam exibidas como normais.

Além dos benefícios de privacidade (outros usuários nunca saberão quais são as condições), isso reduzirá a carga computacional no blockchain, permitindo que os desenvolvedores escrevam scripts mais complexos com impacto minimizado na blockchain.

Por conta própria, as assinaturas Schnorr só podem fazer com que as transações com várias assinaturas pareçam “normais”. A adição de Taproot, por outro lado, irá expandir a lista de operações que podem ser mascaradas dessa forma, incluindo fechamentos de um canal de da Lightning Network, atomic-swaps e outros protocolos de contrato.

Taproot também pode ajudar a resolver os problemas de dimensionamento do Bitcoin e reduzir as taxas de transação. Atualmente, os scripts com grande quantidade de dados incorrem em taxas de transação mais altas pelo esforço necessário para executá-los. Uma vez que o Taproot permitirá que os usuários as mascarem e manuseiem como transações Hash de chave pública padrão (usando apenas uma assinatura), isso resultará em taxas mais baixas.

As propostas Schnorr e Taproot foram implementadas no Bitcoin Core em 15 de outubro – mas ainda não foram ativadas. Ainda não está claro qual mecanismo de ativação será usado, então levará algum tempo antes que o novo código seja totalmente executado.

Fonte: https://portaldobitcoin.uol.com.br/suporte-para-atualizacao-de-privacidade-do-bitcoin-chega-a-45/

Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco + quinze =