Como o Bitcoin está se tornando ‘dinheiro da resistência’ e uma preocupação de segurança nacional

Em pouco mais de 10 anos, o Bitcoin (BTC) cresceu de uma pequena comunidade cypherpunk para uma questão de segurança nacional com vastas implicações para a geopolítica.

No painel do Unitize intitulado “Do Bitcoin ao Fedcoin: a próxima década do dinheiro digital”, Meltem Demirors, CSO da CoinShares, e moderado por Andy Bromberg, presidente da CoinList, passou muito pouco tempo discutindo o Fedcoin e as moedas do banco central em geral.

Em vez disso, eles se concentraram fortemente nas implicações de um cenário geopolítico em mudança, onde o Bitcoin deve desempenhar um papel na próxima guerra pelo domínio da tecnologia – enquanto, ao mesmo tempo, atua como a chave para “sair” digitalmente do controle governamental.

Onshoring da mineração

Demirors observou que uma profunda mudança na dinâmica global do poder começou a ocorrer nos últimos anos. Ela a descreveu como uma narrativa emergente que se concentra na importância da “computação e conectividade no contexto de segurança cibernética e defesa nacional”.

Ela citou pontos de referência desse fenômeno, como a Amazon Web Services se tornando a maior contratada da Defesa dos EUA ou como a Huawei foi cobrada por supostamente comprometer a segurança nacional dos EUA. Meltem acredita que isso foi motivado politicamente, já que os EUA “expressaram suas preocupações sobre permitir que governos estrangeiros participem da construção de infraestrutura neste país”.

Além disso, empresas de semicondutores como Intel e TSMC começaram esforços para trazer a produção de volta aos Estados Unidos ou seus respectivos países (onshore). É provável que o mesmo ocorra com a mineração de Bitcoin:

“Então, acho que daqui a cinco anos, seria muito provável que 40% da mineração de Bitcoin, se não mais, esteja em território americano. É muito provável que os governos vejam grandes redes de criptomoedas como parte da estratégia de segurança nacional.”

Bitcoin como dinheiro da resistência

Falando sobre stablecoins e especialmente moedas digitais emitidas pelo governo, Demirors acredita que eles estão em uma classe completamente diferente do Bitcoin:

“Acho que agora o que você está vendo é que as pessoas estão cooptando a ideia e tentando implementá-la de maneiras diferentes. As moedas digitais do banco central não têm absolutamente nada a ver com o Bitcoin. Elas são antitéticas.”

Na sua opinião, dizer que esses sistemas são baseados em blockchain pode ser parte de uma deturpação deliberada, já que a propaganda “está começando a entrar nesse setor”.

Mas, ao mesmo tempo, Demirors e Bromberg observaram que as moedas do banco central poderiam ser uma melhoria em relação à infraestrutura fiduciária existente. Ela adicionou:

“Acho que diferentes necessidades exigem ferramentas diferentes. No final do dia, o Bitcoin e todas essas outras criptomoedas, moeda digital fuciária, e esses outros projetos são apenas ferramentas que estamos tentando usar para resolver nossos problemas.”

Na sua opinião, o problema que o Bitcoin resolve é o da “escolha do sistema monetário”. As pessoas que podem estar insatisfeitas com o funcionamento do sistema têm poucas opções para revidar e, embora as moedas baseadas em dólares possam resolver alguns problemas, elas não resolvem questões de “censura financeira, controle financeiro e uma falta fundamental de privacidade”.

Bitcoin é, segundo ela, “o principal cavalo” para se tornar uma forma de dinheiro da resistência.

Assim, paradoxalmente, o Bitcoin pode ser visto como uma questão de segurança nacional e uma maneira de escapar dela.

Fonte: https://cointelegraph.com.br/news/how-bitcoin-is-becoming-both-resistance-money-and-a-national-security-concern

Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 3 =