Banco da France diz que stablecoins podem impactar soberania financeira da União Europeia ‘por décadas’

O governador do Banco da França fez um alerta, dizendo que a Europa não pode perder o ímpeto para enfrentar os desafios colocados pelos ativos digitais globais do setor privado.

Seu alerta veio depois de cinco governos da UE – Alemanha, França, Itália, Espanha e Holanda – apoiarem a intenção da Comissão Europeia de redigir um regulamento para criptoativos lastreados em ativos, as conhecidas stablecoins..

Em seu projeto de declaração conjunta, os cinco governos se comprometeram a impedir que as stablecoins globais operassem na UE antes que todas as questões legais, regulatórias e de supervisão fossem tratadas. A Comissão deve apresentar suas propostas para regulamentar os ativos criptográficos no final deste mês.

Em seu discurso na conferência do Bundesbank em 11 de setembro, o governador do Banque de France, François Villeroy de Galhau, afirmou:

“Nós, na Europa, enfrentamos escolhas urgentes e estratégicas de pagamentos que terão implicações para nossa soberania financeira nas próximas décadas”.

O risco mais iminente, na visão de Villeroy de Galhau, é que as “Big Techs”, capitalizando sua penetração no mercado global, construam “infraestruturas financeiras privadas e sistemas ‘monetários’, competindo com a soberania monetária pública, se posicionando como emissoras e administradoras de uma ‘moeda’ universal. ”

Nesta situação, o governador alertou que uma possível moeda digital do banco central (CBDC) poderia então acabar sendo emitida “no” backend “de uma futura stablecoin “Big Tech”.

Além disso, ele disse que as jurisdições individuais poderiam responder à pressão de ativos de pagamentos privados emitindo suas próprias CBDCs, tanto no mercado interno quanto no global – mas sem coordenação suficiente na comunidade financeira global.

A articulação dessas várias CBDCs com iniciativas do setor privado arriscaria deixar de lado a contribuição de outros bancos centrais, disse ele.

Sem hesitar, Villeroy de Galhau sublinhou que o Banco Central Europeu (BCE) e o Eurosistema como um todo “não se podem permitir” “ficar para trás sem uma CBDC”.

Uma CBDC europeu poderia consistir em uma versão de varejo (para o público em geral) e de atacado (para instituições financeiras), disse ele. O governador também sublinhou que não há contradição entre considerar um euro-CBDC e apoiar a European Payments Initiative.

De acordo com Villeroy de Galhau, as ineficiências existentes nos pagamentos, em particular nos pagamentos transfronteiras, terão de ser combatidas “na raiz” através de iniciativas público-privadas. Se isso for ignorado, as stablecoins globais do setor privado abordarão primeiro essas deficiências e, assim, definirão a agenda para a evolução futura da economia digitalizada.

Villeroy de Galhau também sinalizou as assimetrias existentes no cenário de pagamentos, observando:

“Nosso ecossistema europeu tornou-se extremamente dependente de jogadores não europeus (por exemplo, esquemas de cartões internacionais e grandes tecnologias), com pouco controle sobre a continuidade dos negócios, tomada de decisões técnicas e comerciais, bem como proteção de dados, uso e armazenamento.”

A assimetria não para por aí. “A Europa não desenvolveu redes sociais globais como alguns países importantes”, disse ele, tornando uma estratégia coerente e decisiva para inovações digitais no setor de pagamentos ainda mais urgente.

Em resposta a qualquer futuro stablecoin do setor privado, o governador indicou que “a adaptação dos regimes existentes terá que se ajustar a uma estrutura regulatória mais ampla, a ser adotada em nível global”.

Fonte: https://cointelegraph.com.br/news/bank-of-france-stablecoins-could-impact-eu-financial-sovereignty-for-decades

Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + 20 =