Consumo de energia do Bitcoin cresce e agora é comparável ao da República Tcheca

O consumo de energia estimado e o impacto ambiental do Bitcoin – devido à grande demanda de energia das plataformas de mineração – cresceu até o halving desde ano, no início de maio, ponto em que caiu quando as recompensas da mineração foram cortadas pela metade.

Não demorou muito para que essas estimativas começassem a subir novamente e, neste mês, elas atingiram novos recordes.

De acordo com o Digiconomist, que rastreia o consumo total estimado de energia de toda a rede Bitcoin, o Bitcoin está atualmente estimado em 67.927 terawatts-hora (TWh) por ano.

Enquanto isso, o consumo total mínimo estimado de energia do Bitcoin atingiu um pico recente de 54.853TWh em 2 de setembro, que é o valor mais alto registrado desde novembro de 2018. Caiu um pouco na última semana, chegando a 50.715TWh na quinta-feira.

O último número estimado de consumo de energia do Bitcoin coloca a rede por trás do consumo de energia de apenas 42 países no mundo, com o consumo de energia do Bitcoin comparável ao da República Tcheca. O consumo de energia do Bitcoin agora está acima da Suíça, Kuwait e Argélia nessa lista.

O Digiconomist estima que a pegada de carbono do Bitcoin seja de 32,27 Mt CO2, ou comparável à do Azerbaijão, com geração de lixo eletrônico comparável a Luxemburgo a 10,81 kt.

Enquanto isso, estima-se que uma única transação de Bitcoin tenha a mesma pegada de carbono que 709.007 transações VISA ou assistir 47.267 horas de vídeos no YouTube, ou o consumo de energia de uma família americana média em 20 dias.

Essas são apenas estimativas, veja bem, e há algum debate sobre se elas levam em consideração as operações de mineração modernas mais eficientes. No entanto, um relatório de agosto da Energy Research & Social Science, de autoria de Alex de Vries, o criador do Digiconomist, sugere que as estimativas do consumo de energia do Bitcoin podem na verdade ser significativamente subestimadas.

Esse relatório, por exemplo, “conservadoramente” estimou o consumo total de energia da rede Bitcoin em 87,1TWh em 30 de setembro de 2019, enquanto o Digiconomist lista uma estimativa de 73,21TWh para a mesma data.

O hashrate do Bitcoin, ou o poder de processamento total combinado em toda a rede, estabeleceu um novo pico em 8 de setembro. O hashrate e os valores de consumo de energia estimados estão consistentemente interligados.

Fonte: https://portaldobitcoin.uol.com.br/consumo-de-energia-do-bitcoin-cresce-e-agora-e-comparavel-ao-da-republica-tcheca/

Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + três =