‘Dessa vez é diferente’ – 10 gráficos Bitcoin mostram que esta alta não é como 2017

O Bitcoin (BTC) está atingindo o novos recordes em quase todos os aspectos, exceto no preço à vista em dólares, diz um novo compilado, que conclui que 2020 não é como a alta de 2017.

Em uma postagem em 17 de novembro, Nic Carter, cofundador do recurso de estatísticas CoinMetrics, destacou nove gráficos que nesta semana estão mais altos do que nunca.

10 gráficos destacam “claras melhorias”

De saldos nas carteira acima de US$ 10 a participações institucionais e até mesmo preços à vista de Bitcoin em várias moedas fiduciárias, os dados mostram que o Bitcoin está tendo um desempenho superior em um nível histórico.

“Resumindo, o mercado de hoje está muito mais maduro, mais financeirizado, mais supervisionado, mais ordenado, mais contido, menos reflexivo, mais eficiente em termos de capital e mais líquido do que o mercado que impulsionou a alta anterior em 2017”, resumiu Carter .

“Nestes nove gráficos, cobri uma variedade de fatores em que claras melhorias estão manifestamente presentes quando comparamos o ambiente de mercado de hoje com a alta do passado.”

O PlanB, criador dos modelos de preçospara o Bitcoin stock-to-flow, forneceu mais uma métrica – a média móvel fundamental de 200 semanas do Bitcoin.

Média móvel de 200 dias do Bitcoin com eventos de halving. Fonte: PlanB/Twitter

Tudo serve para diferenciar o Bitcoin de 2020 daquele de três anos atrás, quando algumas semanas fervorosas no final do quarto trimestre produziram um recorde passageiro de quase US$ 20.000.

Como relatou o Cointelegraph, os últimos dias produziram uma nova rodada de previsões de preços altistas de fontes bem conhecidas, que afirmam que US$ 20.000 não funcionarão como um teto desta vez, e que rompê-lo permitirá que a alta continue.

Para 2021, entidades de investidores de criptomoedas a bancos tradicionais estabeleceram metas de preço altíssimas, entre elas a aposta de US$ 318.000 do Citibank até o final do ano.

“O fascínio passou” – Analista

No entanto, nem todo mundo está tão otimista. Mesmo quando os US$ 18.000 se tornaram realidade esta semana, um estrategista disse à mídia que a falta de publicidade que o Bitcoin está recebendo é a prova de que o interesse morreu.

“O fascínio por ele passou”, declarou à Bloomberg Kathy Jones, estrategista-chefe de renda fixa do Schwab Center for Financial Research.

“Você tem o grupo hardcore ‘ Sou um investidor de criptomoedas’, mas ele não se expandiu realmente porque ela tem sido tão volátil, tem havido tantas perguntas sobre segurança e o que as regulações podem fazer. O número de perguntas que recebo agora é uma fração do que recebi alguns anos atrás, quando o assunto estava muito quente. ”

A perspectiva ressalta a divisão entre aqueles dentro da esfera da criptomoeda e aqueles fora dela, estes últimos ainda convencidos de que 2017 marcou o pico da “moda” do Bitcoin.

“O nível de US$ 20.000 é claramente o próximo alvo para o Bitcoin. Se ultrapassarmos isso este ano, o que acredito ser possível, estaremos em território desconhecido, pois o sentimento continua positivo”, comentou Simon Peters, analista de criptoativos da plataforma de investimento de múltiplos ativos eToro, ao Cointelegraph.

“A maturidade do Bitcoin, evidenciada pela diversidade de seus investidores e conjuntos de dados extensos e abrangentes, significa que podemos dizer com alguma apreensão:‘Desta vez é diferente’.”

Fonte: https://cointelegraph.com.br/news/this-time-is-different-10-bitcoin-charts-show-that-this-rally-isn-t-like-2017
Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 2 =