Próxima atualização do Bitcoin deve tornar o protocolo mais privado e a implementação dos smartcontracts possível

O Bitcoin deve passar por uma atualização conhecida como Taproot. O taproot ampliará a privacidade de transações da rede e irá implementar o tão esperado recurso dos contratos inteligentes (smartcontracts) à plataforma do Bitcoin. 

O softfork já tem apoio de mais 54% da rede. Isto ocorre pois as principais Mining Pools, exceto a Binance Pool, já declararam suporte às alterações.  O Taproot é a atualização mais importante para o Bitcoin no que tange à melhoria de privacidade para condições de gasto complexos em Bitcoin, como transações multisigtempo de blocos e outras condições baseadas em Bitcoin Script.

Todos os bitcoins são essencialmente “bloqueados” em scripts: algumas linhas de código embutidas em uma transação incluída em blockchain, que definem como as moedas podem ser gastas na próxima transação. As condições de gasto geralmente envolvem o fornecimento de uma assinatura para comprovar a propriedade do Bitcoin envolvido na transação. Mas há outras condições que são contempladas, por exemplo, a inclusão de bloqueios de tempo (Bitcoins só podem ser gastos após horas ou datas de bloqueio específicas) ou multisig (moedas só podem ser gastas se algum número de chaves privadas de um conjunto de chaves privadas fornecerem as assinaturas necessárias).

atualização do Taproot expandirá a flexibilidade do contrato inteligente do Bitcoin, oferecendo mais privacidade ao fazê-lo. Mesmo os contratos inteligentes mais complexos seriam, normalmente indistinguíveis das transações regulares, de acordo com Gregory Maxwell em seu post na lista de discussão da Linux Foundation. 

Assinaturas Schnorr, MAST e Taproot

O protocolo inicial desenvolvido por Satoshi Nakamoto não possuía tanta complexidade criptográfica como se imagina. Quando o protocolo do Bitcoin veio ao mundo, as assinaturas Schnorr estavam protegidas por patentes e não puderam ser utilizadas no lançamento inicial do Bitcoin. Forçando Satoshi a utilizar o OpenSSL, um software livre para assinaturas criptografadas, mas que só permite uma assinatura por transação, o que torna as operações no protocolo lentas e demoradas. Posteriormente, o OpenSSL foi substituído pelo Algoritmo de Assinatura Digital de Curvas Elípticas (ECDSA). O Bitcoin tradicionalmente usa assinaturas ECDSA na curva secp256k1 com hashes SHA256 para transações de autenticação. Eles são padronizados, mas têm uma série de desvantagens em comparação com as assinaturas Schnorr na mesma curva.

O principal diferencial entre o ECDSA e o Schnorr é o tamanho das assinaturas que são usadas para assinar as transações na blockchain Bitcoin. Uma assinatura atualmente pesa 72 bytes, enquanto as assinaturas de Schnorr não passam de 64 bytes, representando uma redução de 12%.

Fonte: Coinmonks

As assinaturas Schnorr adicionam a possibilidade de multi-assinaturas, então a partir do lançamento do Taproot haverá implementação das assinaturas de Schnorr, que terão diversos benefícios, principalmente para contratos autônomos que precisam ter capacidade de multisig ativadas e na velocidade das transações. As assinaturas Schnorr não foram ativadas ainda no protocolo do Bitcoin, segundo Pieter Wuille, um dos desenvolvedores do Bitcoin, devido a complicações com o protocolo de multisigs que já estão sendo sanadas.


A atualização do Taproot é baseada em uma proposta mais antiga chamada Árvores de Sintaxe Abstrata Merkelizadas (MAST). Que não tinha suporte para transações multisig totalmente desenvolvidas. O Taproot é a evolução do MAST com multisig ativada, a partir da proposta BIP 340.

A proposta BIP 340 é a padronização para assinaturas Schnorr para integrá-las ao protocolo Bitcoin. A proposta será submetida a uma revisão completa para garantir que não haja problemas dentro dos parâmetros descritos no BIP 340. A atualização em si não é controversa. Há um amplo consenso de que Schnorr é um dos melhores esquemas de assinatura digital e é benéfico para o Bitcoin. Os desenvolvedores de Bitcoin Cash perceberam o valor das assinaturas Schnorr e as implementaram em seus protocolos. O que tornou as operações dentro da cadeia do Bitcoin Cash mais rápidas que nas do Bitcoin.

Fonte: https://cointelegraph.com.br/news/next-update-of-the-bitcoin-protocol-should-make-the-protocol-more-private-and-the-implementation-of-smartcontracts-possible

Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 + três =